Moradores se mobilizam para reconstruir piscina do tráfico destruída pela PM

Moradores se mobilizam para reconstruir piscina do tráfico destruída pela PM

Moradores do Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio, começaram uma campanha na tarde desta quarta-feira para reconstruir a piscina da comunidade, localizada na Praça Cotigi, destruída durante operação do Bope no último domingo. Uma investigação da Polícia Civil concluiu que traficantes da favela foram responsáveis pela construção da área de lazer em 2014.

Leia mais: Vídeo impressionante de traficantes da Penha fugindo de cerco Policial viraliza na web; Assista

A campanha pela reconstrução começou na página criada para a piscina no Facebook. Uma postagem na página anuncia o “baile funk da piscina”, com toda a renda revertida para reerguer a área de lazer. “Bora promover uma mobilização da comunidade! Fazendo DE FORMA LEGAL, registrar tudo mostrando que foi arrecadado só com festa e calar a boca de muita gente”, diz o texto.

Leia mais: Ladrão fica famoso após ter retrato falado divulgado na internet
Moradores se mobilizam para reconstruir piscina do tráfico

A postagem fala ainda em acabar com a queda de braço entre os traficantes e a prefeitura: “Toda vez que eles (tráfico) construírem a piscina, a tropa do (Marcelo) Crivella sobe no morro e quebra tudo outra vez.. proponho humildemente dar um fim a essa queda de braços! Bora legalizar a piscina”.

Moradores se mobilizam para reconstruir piscina do tráfico
                     A piscina foi destruída no último domingo Foto: Reprodução

A piscina do Juramento foi destruída pelo Bope no último domingo, um dia após o EXTRA ter revelado que a área de lazer continuava a funcionar normalmente, mesmo após a prefeitura do Rio ter sido notificada pela Polícia Civil sobre a construção irregular num espaço público. A Polícia Militar alegou que traficantes da comunidade usavam a estrutura de concreto como barricada. Durante a operação, houve uma troca de tiros, mas ninguém foi ferido ou preso, e nada foi apreendido. Moradores do entorno contam que viram um “caveirão”, o veículo blindado da PM, bater na piscina até ela ceder.

Moradores se mobilizam para reconstruir piscina do tráfico
              Homens armados posam para foto na beira da piscina Foto: Reprodução

Um inquérito da 27ª DP (Vicente de Carvalho), de 2016, concluiu que o então chefe do tráfico no Juramento, Flávio Silva Mendonça, ex-membro do Comando Vermelho, morto em uma operação policial, foi o responsável pela obra da área de lazer. A polícia descobriu que era cobrada uma taxa mensal de R$ 10 dos moradores para a manutenção da piscina, abastecida com 130 mil litros por um gato de água na tubulação do morro.

Após a morte de Flávio, no início de 2015, a facção Amigos dos Amigos (ADA) assumiu o controle do Juramento. Em novembro do ano passado, houve uma nova guerra na comunidade, e o Comando Vermelho voltou a dominar a favela.

COMMENTS